A grande morte é semelhante a pequena morte em termos de sentimentos

        Você tem medo de morrer? E viver, do que se trata? Nós estamos sempre perdendo e descobrindo coisas, sempre rompendo com o velho e estabelecendo o novo. A isto chamamos de uma pequena morte. Perder e ganhar. A última, a grande morte é semelhante a pequena morte em termos de sentimentos.

Você sabe definir o que é estar vivo? E morrer, você tem medo?

        O que pode ser estar vivo? Difícil responder, né? São tantas as possibilidades … E morrer? Ah, morrer é mais fácil, não é? Morrer é mais fácil do que viver? Morrer poderia ser aprender como abrir mão daquilo que encorpamos. Morrer poderia ser abrir mão da forma, é estar num corpo e estar sem corpo, é ter limites e não os ter.

Você sabe qual é o seu estilo de morrer?

        Parece haver dois ciclos no processo de viver – expansivo e contido. Seria o mesmo que respirar. Encher e esvaziar. Você dissemina sua experiência no mundo na fase expansiva. Você junta suas experiências em si mesmo na fase contida.

        Atualmente, nós tratamos os nossos corpos como uma ferramenta, um escravo, um instrumento. Forçamos o corpo a viver a vida que a nossa mente quer viver e morrer pelos ideais da nossa mente. E a sua mente vive a vida da sociedade, então você morre dentro do estilo de morrer da sociedade.

       Quando você experiencia a você mesmo enquanto você mesmo, você experiencia o corpo e a mente como uma coisa só. Você experiencia uma coisa diferente do estilo de vida que a sociedade diz para você viver. Qual é o seu estilo?

Morrer é encarar o desconhecido

        Será por isso que o sentimento de morrer provoca medo? Você percebe que o sentimento de morrer evoca o desamparo? O inesperado? O desafio do conhecido? Quando você morre, estabelece novas direções, você ganha novos poderes e perde outros. Você sabe que morrer é abrir mão de padrões de ação, é abrir mão de padrões de pensamento.

        Morrer é ficar inseguro. Morrer é ficar excitado. Morrer é saber que algo está emergindo. Morrer é não saber para onde se está indo. Morrer é um lugar de transição. Morrer é encarar o desconhecido.

a-grande-morte-e-semelhante-a-pequena-morte-em-termos-de-sentimentos

Morrer é sair de si

        Sair de si, mas sem medo, pois após a morte o medo acaba. E você gostaria mesmo é deixar acontecer. Sem se perder, sem controlar. E deixar acontecer é o desejo de experienciar incondicionalmente. Quando você deixa acontecer significa que você cedeu ao corpo, é como ceder ao sono.

        Mas deixar acontecer mobiliza o sentimento de desamparo. Ficamos sem o controle, sem saber o que fazer. Esse desamparo evoca dor. A dor da perda. E a dor da perda intensifica o desamparo. Intensifica o descontrole. Benvindo, a isso o que é viver.

E o seu medo de ficar só?

        Esse é um dos receios mais consistentes que as pessoas têm. Você tem tanto medo de ficar só que é capaz de ficar num relacionamento destrutivo ou desagradável ou inconveniente ou improprio e outros desastres, apenas para não se sentir desamparado. Estou dizendo que muita gente prefere uma relação de desventuras a ficar só.

        Então, você oscila entre os sentimentos de medo e de raiva. Ora sente medo, ora sente raiva. Medo e raiva são as reações básicas de defesa na vida. O medo é uma resposta de preservação, a raiva é uma resposta de expansão. Medo e raiva – recuo e ataque. Recolhe e expande. Inspira e expira.

 

Psicologia de Rebanhos

“O rebanho é os meus pensamentos e os meus pensamentos são todos sensações” (Fernando Pessoa).

O desamparo ainda é a dor básica da vida

        Na atualidade, ensinamos as nossas criancinhas que os seus desejos são direitos. Mesmo assim elas ainda se enrijecem e se contraem como os seus pais. E localizam o que está acontecendo com elas como uma derrota na vida. Afinal de contas, hoje, apenas encontramos gente vencedora no mundo – essa gente que não vai morrer nunca. Essa gente que não morrera nunca, por medo de ficar só.

Referências

KELEMAN, Stanley. Viver o seu morrer. São Paulo: Summus, 1997.

2 respostas para “A grande morte é semelhante a pequena morte em termos de sentimentos”

  1. O texto parte de princípios, crenças, valores, do autor. Pessoas influenciáveis o tomarão como verdade, nova lei a ser seguida
    E mais um fator, dentre infinitos outros a ser lido, analisado, juntado ao bolo de de informações conceitos , tudo que for possível para formar a opinião ou conceito do leitor. Não nem de longe uma dita verdade. Não é a lição a ser feita ou seguida. Devaneios sobre o desconhecido. E considero fraquinho
    Solução fácil para um problema que não vejo existir

    1. Olá, Rose. Obrigado pelo comentário repleto de argumentos interessantes e complexos para uma reposta rápida. Mas, vamos lá. Sim, cada um de nós é um sistema teórico fundamentado por nossas crenças, princípios e valores e outros fenômenos não-citados ou desconhecidos. Mas como formamos esses sistemas? Esses sistemas são estáticos e já trazemos do nascimento? Ou, são dinâmicos e formados da nossa experiência no mundo? O que seriam pessoas influenciáveis? De acordo com a primeira hipótese, se nascemos e morreremos com o mesmo sistema teórico do nascimento, então ninguém muda por conta do que o outro pensa. Na segunda hipótese, se mudamos enquanto vivemos, então somos todos influenciáveis por tudo que experienciamos. Então, o que é ser influenciável? Outro argumento: sim, cada um de nós é um sistema teórico complexo e único. E não-influenciável. Sim, não-influenciável. Acaso temos o poder para fazer com que alguém faça aquilo que pensamos ou vice-versa? Ou, cada um escolhe para si, o que lhe está mais de acordo com o seu sistema teórico? E quando consideramos outros sistemas (os sistemas dos outros), não estamos nos deixando influenciar pelos outros? E se para alguém, basta que o seu sistema teórico tenha apenas um axioma e um teorema, isto é, não necessita de mais “informações”? Outro argumento: escolhemos alguma coisa? Existe liberdade de escolha? Bem, como disse, você levantou muitas questões no seu comentário, o que evoca muitas reflexões. E me deixa animado. Aguardo a sua réplica. Grato pelo comentário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *