Alguma maneira sua de se mover ou de se comportar

         Você já pensou que pode existir uma associação entre o seu jeito de ser ou de estar com alguma maneira sua de se mover ou de se comportar? Você consegue imaginar os seus comportamentos associados a uma disposição particular das suas articulações e das suas flexibilidades musculares?

         Você gostaria de vivenciar toda a variedade de movimentos de que sendo humano você é capaz? Você está cansado de ficar repetindo um repertorio limitado de formas corporais? Você não suporta mais tanto sofrimento concreto do corpo e de tanta restrição de movimentos?

Então, preste atenção

1º) na sua postura, nos seus gestos e nas formas do seu corpo;

         A sua forma de ser e de estar constitui uma intenção da sua maneira de se expressar no mundo.

2º) no seu corpo, fazendo exercícios de conscientização;

         Fazer um trabalho de conscientização da sua estrutura articular lhe ajudara a viver como um organismo solidamente estruturado. Essa consciência lhe ajudara a modificar as imagens prejudiciais que você tem do seu próprio corpo e do seu funcionamento.

3º) no seu cuidado de si, na sua modelagem, no seu ajustamento articular e regularização das suas tensões musculares.

         O funcionamento harmonioso do seu corpo é uma questão de construção, estruturação lenta, não ocorre ao deus dará.

         “Desfazer é um passo, mas é preciso consolidar para obter resultados”.

alguma-maneira-sua-de-se-mover-ou-de-se-comportarProponha-se a possiblidade de cuidar de si mesmo

         Pelas vias do corpo, cada um pode aprender a gerir, aprender a desenvolver uma estratégia de cuidados de si.

. Em primeiro lugar:

         O seu corpo é um lugar unificado e solidário da cabeça as mãos e aos pés. Uma dor, por exemplo, pode estar localizada, mas ela não existe isolada do corpo. A dor é uma função solidaria dos seus hormônios e anticorpos, órgãos e vísceras, músculos e ossos.

. Em segundo lugar:

         Essa solidariedade não se limita ao sistema locomotor ou muscular, mas abrange a unidade da estrutura humana e aquilo que a anima. Essa unidade forma conjuntos neuromusculares que se fazem e se desfazem conforme a sua expressão corporal ou postural ou gestual.

. Em terceiro lugar:

         Alguns processos de que você tem se utilizado para viver podem, de certa maneira, estar aprisionando a sua expressão. Esse aprisionamento aponta para expressões corporais que se fixaram.

        Aponta para as suas contradições, tensões decorrentes das suas escolhas de um comportamento. Esse aprisionamento é o mensageiro que revela os seus traumatismos, os seus excessos, as suas disfunções, os seus desconfortos, lentamente gravados em seus tecidos por longo tempo.

         Compreender os processos como formamos nosso corpo, nos aponta para uma gestão mais eficiente dos nossos modos de funcionamento, para um modo de usar nossas articulações com alguma gerencia sobre elas.

. Em quarto lugar:

         As suas expressões são as formas de comunicação e de trocas no interior do seu próprio corpo e no corpo do mundo exterior.

         Atualmente, nós ampliamos, facilitamos e até mesmo favorecemos as trocas por meio de maquinas e instrumentos. Os nossos corpos são delineados, preenchidos e esculpidos por próteses, escarificações, piercings, tatuagens e outras modificações corporais. Os nossos corpos não mais se comunicam com o corpo, de pessoa para pessoa.

 Psicologia de Rebanhos

“O rebanho é os meus pensamentos e os meus pensamentos são todos sensações” (Fernando Pessoa).

        Como a Psicologia pode ajudar, para você ter uma gestão satisfatória sobre o seu corpo? A Psicologia busca compreender como nos comportamos. O que nos acontece quando escolhemos nos comportar dessa e não daquela maneira? Compreender como nos comportamos é o primeiro passo para uma gestão consciente das nossas praticas. E qual é o papel da psicoterapia nesse processo? A psicoterapia é a técnica utilizada pelo psicólogo para facilitar a sua compreensão dos processos que ocorrem em você.

Referencias

DENYS-STRUYF, Godelieve. Cadeias musculares e articulares: o método G.D.S. São Paulo: Summus, 1995.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *