O sistema de saúde mais antigo do mundo

        “Há registros de que a massagem já era praticada na Índia há mais de cinco mil anos. Reconhecida como o sistema de saúde mais antigo do mundo, captado por diferentes povos da antiguidade, como chineses, persas, gregos, entre outros.

        Os médicos indianos foram os primeiros a fazer cirurgias plásticas, e também introduziram mais de cem instrumentos cirúrgicos, não muito diferentes dos utilizados atualmente.

        As formas de prevenção e tratamento de doenças são dietas, ervas, exercícios, massagens, praticas iogues e meditação.

        Como esse sistema reconhece a singularidade e a constituição única de cada indivíduo, o tratamento é diferenciado mesmo para pessoas que desenvolvem, aparentemente, o mesmo tipo de sintoma. Esse sistema respeita a sua constituição essencial e os aspectos peculiares da história que antecede o sintoma em cada um”.

        O nosso corpo e a nossa mente estão interligados. Se o corpo sucumbe, a mente também adoecera, e vice-versa. Os exercícios contem movimentos que estimulam o organismo afetado por meio do aumento da circulação sanguínea.

        Todos os nossos movimentos são baseados em alongamentos, encurvamentos, torções e relaxamento. Os movimentos proporcionam diversos efeitos, que estimulam e integram as diferentes partes do corpo.

        Os exercícios nos ajudam a acalmar a nossa mente e a nos livrar de todas as distrações. Mas para chegar a esse estágio será preciso percorrer uma longa e diligente jornada, bem como, aprender que a ação física está ligada a respiração e a concentração mental. “A disciplina, por sua vez, ajuda a dissipar a agitação e a confusão da mente, que tanto afligem as pessoas”.

 

A massagem

        “Os deslizamentos, amassamentos e pressões com as mãos e os pés estimulam a circulação e aquecem a musculatura e as articulações, preparando o corpo para as flexões, torções e alongamentos.

        Seus efeitos são potencializados com a expiração lenta e profunda, que proporciona maior oxigenação das células e, consequentemente, um intenso relaxamento muscular. Ao mesmo tempo, a respiração permite maior amplitude de movimento, facilitando as manobras de alongamento.

        As fricções, seguidas de alongamentos, servem para lubrificar as articulações, onde normalmente se depositam os excessos de cálcio e de ácido úrico. Isso confere grande alivio da dor”.

Psicologia de Rebanhos

“O rebanho é os meus pensamentos e os meus pensamentos são todos sensações” (Fernando Pessoa).

 

        A mente é um produto do corpo. O corpo é uma imagem da mente. Somos o nosso corpo. O pensamento é um produto da mente que, por sua vez, é um produto do corpo. Existe, entre mente e corpo, uma relação de reciprocidade, aliás, como qualquer relação. Assim, o corpo produz a mente, mas a mente também produz o corpo. Portanto, o corpo também é um produto da mente que, por sua vez, também é o produto de um pensamento.

Referencias

MARTILNELLI, Alda. Yoga massagem ayurvédica: a transformação pelo toque: método Kusum Modak. São Paulo: Editora Olhares, 2011.

 

Tensão não vem de fora para você, ela é alguma coisa que você produz

        Uma vez, encontrando-se distraído, você se perguntou sobre o significado da vida. Para que serve o estudo, o trabalho, as compras no shopping, o aborrecimento, comer, beber ou se esquentar no corpo de alguém? Enfim, em que consiste a vida? Tensão não vem de fora para você, ela é alguma coisa que você produz.

 

Enfim, qual o significado da vida?

        Se você está sentado, fique onde está. Senão, sente-se com a coluna ereta, não rígida, em uma cadeira. Feche os seus olhos e acompanhe os seus pensamentos por no mínimo cinco segundos e no máximo um minuto, caso consiga. Vamos lá, feche os olhos e acompanhe os seus pensamentos, depois volte a leitura.

        Pois bem, de volta a leitura. Vivencie o que está escrito. Deixe que os seus pensamentos se vão. Experiencie os seus pensamentos indo. Deixe as palavras irem. Vivencie as palavras indo. Como você faz isso? Não se detenha nos pensamentos. Deixe os seus pensamentos irem.

Sinta, sem usar as palavras, como você se sente.

        Agora, transfira a sua atenção para os seus pés. Sobre o que seus pés repousam? Sinta. Sem usar palavras ou imagens. Sinta cada um dos dedos dos seus pés sem move-los. Não tenha pressa. Sinta o dorso dos seus pés. Sinta os seus tornozelos. Respire.

        Sinta as suas panturrilhas. Sem pressa. Sinta os seus joelhos. Sinta as suas coxas. Respire. Sempre respire, lentamente. Sinta as suas nádegas. Você está se conhecendo ou reconhecendo. Faça esse exercício, lentamente. Sinta como você toca a cadeira que sustenta você. Respire. Sinta o seu estomago. Sinta o seu peito. Respire e perceba como você respira. Sinta as suas costas. Sinta as suas costas na cadeira, se estiverem encostadas na cadeira. Caso suas costas não estejam encostadas na cadeira, como você sente as suas costas?

 

        Sinta os seus ombros. Sinta os seus braços.  Respire. Sinta os seus cotovelos. Sinta os seus antebraços. Você está conhecendo a si mesmo. Sinta os seus pulsos. Sinta as suas mãos. Respire.

        Esfregue as suas mãos e as ponha em algum lugar do seu corpo. Sinta o calor das suas mãos. Sinta cada um dos seus dedos. Sinta o seu pescoço. Inspire, pause, expire, pause. Sinta os seus lábios. Sinta as suas faces. Faça caretas. Sinta o seu nariz. Sinta os seus olhos. Respire lentamente. Sinta todo o seu rosto.

        Sinta a sua testa. Sinta o topo da sua cabeça. Inspire, pause, expire, pause. Sinta a parte posterior da sua cabeça. Agora sinta o seu corpo como um todo: dos pés à cabeça. Sem pressa. Respire. Sinta a sua respiração. Sinta como os sons do ambiente chegam até você. Sinta como o seu corpo acolhe a atmosfera. Como você se sente agora? Não precisa responder. Apenas sinta, sem dar nome ao que você sente.

        Se puder, repita esse exercício com os olhos fechados.

 

Uma das características dos sentidos é a especialização

        Uma das características da visão é a seletividade. Quando vemos uma coisa, deixamos de ver outra coisa. Ver pode dividir o espaço em próximo e distante. Quando vemos, fazemos distinções, criamos as diferenças. Quando vemos, nos separamos do mundo. Quando vemos, separamos as coisas do mundo, em uma coisa e outra coisa. A visão nos separa do mundo.

 

        “Uma falta de contato físico produz nas crianças um aumento de irritabilidade, depressão e, em casos extremos, autismo: a falta da vontade de viver”.

 

Psicologia de Rebanhos
O rebanho é os meus pensamentos
E os meus pensamentos são todos sensações.
(Fernando Pessoa)

 

        A Psicologia de Rebanhos trabalha com as sensações. O sentido que damos para a vida é alimentado pela nossa maneira de selecionar o que vivenciamos. Se eu olho para algo a minha frente, deixo de ver o que está atrás de mim. Se toco em algo tenho vivencias bem distintas desse algo quando não o toco. São os nossos sentidos que nos permitem dar um sentido à vida.

 

Referências

 

GUNTHER Bernard. Sensibilidade e relaxamento: debaixo da sua mente. São Paulo: Editora Brasiliense, 1989.

Prevenir e remover as causas das moléstias que nos afligem

 

A partir da respiração, da concentração, do relaxamento e da otimização das funções metabólicas, podemos prevenir e remover as causas das moléstias que nos afligem.

 

        Os exercícios visam otimizar as funções do organismo, fazendo com que os processos respiratório, metabólico, circulatório, digestivo e eliminatório ajam sobre o sistema glandular e orgânico e muscular de forma a favorecer o seu funcionamento.

Os diferentes exercícios, acompanhados da respiração, tem determinado efeito sobre o comportamento do organismo.

 

A respiração

Fique de pé ou sentado numa cadeira ou sentado no chão com as pernas cruzadas ou mesmo deitado, o essencial é manter a coluna ereta.

        Observe a sua posição, a coluna está ereta, a cabeça levantada, as mãos na lateral do corpo, se estiver de pé; as mãos nos joelhos, se estiver sentado; e, as mãos no chão, palma para baixo, se estiver deitado. Esse exercício também pode ser feito com os olhos fechados.

Concentre-se na faringe e comece a inspirar. Inspire vagarosamente, procurando tornar audível o som da respiração. Não faça uso das narinas, elas permanecem inativas. Use a área que fica situada na parte posterior da boca, ou faringe.

Observe as suas costelas inferiores. Na inspiração elas se expandem em primeiro lugar, depois as medias, e finalmente as superiores. Quando a inspiração estiver completa, pare durante dois ou três segundos retendo o ar. Comece, então a solta-lo vagarosamente.

        Inicie contando quatro para a inspiração, dois para a retenção e novamente quatro para a expiração. Respirar com compassos iguais tem a nome de respiração rítmica.

 

Vamos respirar

        Inspire vagarosamente contando um, enchendo a parte inferior dos pulmões, dois, enchendo a parte média dos pulmões, três, a parte superior, quatro. Retendo o ar, contando um, vagarosamente, dois. Expire, contando um, esvazie a parte superior dos pulmões, dois, esvazie a parte média, três, esvazie a parte inferior, quatro. Retenha o ar, contando um, vagarosamente, dois.

Vamos repetir. Inspire contando um, enchendo a parte inferior dos pulmões, dois, a parte média, três, a parte superior, quatro. Retendo o ar, contando um, vagarosamente, dois. Expire o ar, contando um, esvazie a parte superior dos pulmões, dois, esvazie a parte média, três, esvazie a parte inferior, quatro. Retenha o ar, contando um, vagarosamente, dois.

Mais uma vez. Inspire contando um, enchendo a parte inferior dos pulmões, dois, a parte média, três, a parte superior, quatro. Retendo o ar, contando um, vagarosamente, dois. Expire o ar, contando um, esvazie a parte superior dos pulmões, dois, esvazie a parte média, três, esvazie a parte inferior, quatro. Retenha o ar, contando um, vagarosamente, dois. Desfaça a concentração. Observe seu corpo.

 

Referencias

 

DEVI, Indra. Hatha Ioga: paz e saúde. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1974.