Dificuldade de acesso a mente possibilita a criação de uma alma

        “Nossa visão direta da mente depende de uma parte dessa própria mente”. Essa dificuldade de acesso a mente possibilita a criação de uma alma, de um espirito, de uma mente, que habitaria o corpo e dele se desataria quando o corpo deixasse de funcionar. Essa dificuldade de conhecer como nossa mente funciona, usando da nossa própria mente, possibilita a criação de um deus que explica tudo. O acesso a nossa mente, apenas por uma parte da nossa própria mente, não pode permitir uma apreciação abrangente e fidedigna do que está acontecendo.

        Pode parecer uma ingratidão e mesmo paradoxal, questionar a nossa confiabilidade em nossa capacidade de conhecimento. Afinal, já comprovamos que temos algo que nos faz conhecer que nós somos um nós, que nós somos um eu, essa parte da mente que nos dá acesso ao conhecimento, inclusive de nós mesmos.

        “No entanto, essa é a situação. Com exceção da janela direta que o eu nos abre para nossas dores e prazeres, as informações que ele fornece tem de ser questionadas, sobretudo quando dizem respeito a” sua própria natureza.

 

A superação de uma intuição enganosa

        Quando nós observamos, nós adotamos duas posturas:

– uma postura quando observamos a mente, nós nos voltamos para dentro;

– outra postura quando observamos os nossos tecidos biológicos, nossos olhos estão voltados para fora.

        “Nessas circunstancias, não é de surpreender que a mente de a impressão de não possuir uma natureza física e que seus fenômenos pareçam pertencer a outra categoria. Ver a mente como um fenômeno não físico, separado da biologia que a cria e a sustenta, é a razão pela qual certos autores apartam a mente das leis da física, uma discriminação a qual outros fenômenos cerebrais geralmente não estão sujeitos”.

 

A estrutura

        “Os organismos produzem mentes a partir da atividade de células especiais conhecidas como neurônios. Os neurônios têm muitas das características de outras células do nosso corpo, mas seu funcionamento é distinto. Eles são sensíveis a mudanças ao redor, são excitáveis (uma propriedade interessante que tem em comum com as células musculares)”.

Uma perspectiva integrada

        Aquilo que chamamos de mente é o resultado de padrões neurais de funcionamento do nosso cérebro. Os neurônios são as células mais famosas que frequentam o nosso sistema nervoso. Através de múltiplas e diversificadas relações constituídas entre os neurônios, o cérebro forma os padrões neurais que determinam os nossos comportamentos. Uma imensa quantidade de informações chega e parte do nosso sistema nervoso a todo instante. Entretanto, alguns padrões neurais geram um processo de eu, quer dizer, de consciência de padrões neurais.

        “Há milhões de anos que inúmeros seres possuem mentes ativas no cérebro”. Somente quando o cérebro foi capaz de desenvolver um processo que lhe permitiu observar a si mesmo, é que surge a consciência. Mas a consciência, como definimos hoje, somente se tornou conhecida depois que o cérebro desenvolveu a linguagem. Somente pela linguagem podemos conhecer a existência de mentes.

        “Entender como o cérebro produz esse algo mais, o protagonista que carregamos para todo lado e chamamos […] de eu, é um objetivo importante da neurobiologia da consciência”.

 

Psicologia de Rebanhos

O rebanho é os meus pensamentos

E os meus pensamentos são todos sensações.

(Fernando Pessoa)

 

        Também é o objetivo da Psicologia entender como o nosso cérebro produz a nossa consciência. Porém, acreditamos que não é somente através da linguagem que podemos conhecer a consciência. Nosso entendimento da formação dos nossos padrões neurais considera a existência de uma consciência anterior a linguagem. Essa consciência tem raízes nos nossos demais sentidos. Todas as nossas formas de sentir contribuem para damos sentido ao mundo.

 

Referencias

DAMÁSIO, António R. E o cérebro criou o homem. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *