Existe diferença entre acreditar e estar certo?

        Por que você acredita no que você acredita? Como se formaram as crenças que você tem? Existe diferença entre acreditar e estar certo? O que é uma crença? Como formamos uma crença?

        Uma crença é certo estado mental onde não existe uma garantia de verdade para todos. Uma crença é um sentimento subjetivo que pode ser compartilhado e apoiado por outros.  Se creio, não tenho certeza, mas creio que estou certo.

        Crer, então, é algo que se fundamenta na minha opinião. Portanto, a sua crença implica algo em que você acredita e eu posso acreditar ou não. Assim, crer é diferente de certeza, pois a crença está baseada no sentimento de algo e o saber está fundamentado no conhecimento de algo.

        Mas será que crer e saber serão mesmo diferentes? Concordar que crer e saber são diferentes é acreditar que crer e saber são modos de atividades diferentes e de origens diferentes. No entanto, essa tentativa de conhecer a diferença entre crer e saber origina-se da “sensação” de que crer e saber são diferentes. A ciência diria que a origem não seria a minha sensação, mas a hipótese do fenômeno a ser observado.

        Para a ciência, a crença é uma opinião, portanto um conhecimento menor destituído de verdade. Para os parâmetros científicos, a crença não está certa. Para a crença, a ciência é um saber destituído de fé, portanto um conhecimento menor. Para os parâmetros crentes, a ciência não está certa.

        Para a ciência, a crença explica o real a partir dos sentimentos, portanto, a crença para a ciência é um fenômeno que diz respeito ao afeto. Para a crença, a ciência explica o real a partir da reflexão, do pensamento, da razão. Portanto, a ciência para a crença é um fenômeno intelectual.

        Uma das características da crença é seu sentimento rapidamente contagioso, enquanto o saber exige um trabalho lento e paciente.

        É consenso no meio cientifico que não se constrói uma teoria a partir apenas de fatos particulares. Entretanto, é a partir de suposições particulares que se constroem as teorias. Portanto, a construção de uma teoria implica sempre como ponto de partida uma suposição, um ato de fé. Ato de fé, suposição, presunção, conjectura são termos utilizados pelo crente. Método cientifico, hipótese, observação, teoria são os termos utilizados pelo cientista.

 

        Entretanto, se pensarmos que crer é um ato racional e não sentimental, podemos examinar a natureza da crença, pesquisar como ela se funda e se produz. Por outro lado, se pensamos a crença como um sentimento, o seu conhecimento fica restrito as nossas sensações. Portanto, a crença não chega a racionalizar a sua motivação.

        Porém, uma crença também é constituída de palavras, cultos, imagens, pois uma crença precisa de uma forma para ser crível. Essas palavras, cultos e imagens que formam uma crença tem seu sentido próprio. Entretanto, a ciência, ancorada na razão, supõe que somente a racionalidade pode dar sentido à vida, à realidade, à existência.

        É mais fácil persuadir com imagens, sons, cheiros, em suma, com sensações, do que com argumentos. O pensamento é um habito, é uma outra forma de dar sentido à vida, à realidade, à existência. O pensamento não é soberano, muito pelo contrário, o pensamento está mais para subalterno das sensações.

        Portanto, todas as teorias e crenças se equivalem e nenhuma delas tem valor algum. Teorias e crenças são criações humanas. Teorias e crenças fazem parte da imaginação humana. Teorias e crenças criaram a ideia de que as coisas são constituídas por um ente que as determina. Essa teoria/crença é a base de toda uma rede de falsos conceitos nos quais os homens se fixam, se endurecem, se imobilizam. Através dessa crença/teoria os homens concretizam a realidade como uma fotografia, onde a verdade se mostra com toda a sua ignorância.

Psicologia de Rebanhos

O rebanho é os meus pensamentos

E os meus pensamentos são todos sensações.

(Fernando Pessoa)

 

        Enfim, existe diferença entre acreditar e estar certo? Durante a nossa existência afirmamos diariamente a certeza das nossas crenças e as crenças das nossas certezas. Torna-se assim, para nós, quase uma impossibilidade perceber outra realidade que não sejam as nossas crenças e certezas. A Psicologia entende que a realidade não é apenas aquela fotografia que amarelece com o tempo ou jaz esquecida num arquivo digital. A psicologia entende que a realidade é um vir-a-ser e não apenas o ser. Ser este que se eterniza num instantâneo da existência. Por isso a Psicologia acredita na transformação, pois a vida é movimento.

 

Referencias

 

NOVAES, Adauto. A invenção das crenças. São Paulo: Edições SESC SP, 2011.

 

2 respostas para “Existe diferença entre acreditar e estar certo?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *