A Natureza me está, se não te vejo, magoando

Enfim, tudo o que a rara Natureza
Com tantas variedades nos oferece,

Me está, se não te vejo, magoando.

 

Sem ti, tudo me enoja e me aborrece;

Sem ti, perpetuamente estou passando

Nas maiores alegrias maior tristeza.

 

***

 

Alma minha gentil, que te partiste

Tão cedo desta vida, descontente,

Repousa lá no Céu eternamente

E viva eu cá na Terra sempre triste.

 

Se lá no assento etéreo, onde subiste,

Memoria desta vida se consente,

Não te esqueças daquele amor ardente,

Que já nos olhos meus tão puro viste.

 

E se vires que pode merecer-te

Alguma coisa a dor que me ficou

Da magoa, sem remédio, de perder-te,

 

Roga a Deus, que teus anos encurtou,

Que tão cedo de cá me leve a ver-te,

Quão cedo de meus olhos te levou.

 

 

Amor é fogo que se arde sem se ver;

É ferida que dói e não se sente;

É um contentamento descontente;

É dor que desatina sem doer;

 

É um não querer mais que bem querer;

É solitário andar por entre a gente;

É nunca contentar-se de contente;

É cuidar que se ganha em se perder;

 

É querer estar preso por vontade;

É servir a quem vence, o vencedor;

É ter com quem nos mata lealdade.

 

Mas como causar pode seu favor

Nos corações humanos amizade,

Se tão contrário a si é mesmo Amor?

 

***

 

Quanta incerta esperança, quanto engano!

Quanto viver de falsos fundamentos,

Pois todos vão fazer seus pensamentos

Só no mesmo em que está seu próprio dano!

 

Não haja em aparências confianças;

Entende que o viver é de emprestado;

Que o de que vive o mundo são mudanças.

 

Mudai, pois o sentido e o cuidado,

Somente amando aquelas esperanças

Que duram para sempre com o amado.

 

Psicologia de Rebanhos

O rebanho é os meus pensamentos

E os meus pensamentos são todos sensações.

(Fernando Pessoa)

 

        Nessas canções de amor, o amante fala da ausência do amado. Quão sofrida e triste é a vida sem o amado! E mesmo quando o amor é vivido, por que dói tanto!? Como pode o amor ser tão contrário a si? Que sentimento é esse que não se encontra em mim, mas que dura para sempre com o amado!? Amor é sentimento? De tão idealizado, esse amor parece mais com pensamento do que com algo que se sente.

       

Soneto de Fidelidade – Duração 1:36

CAMÕES, Luiz Vaz de. 200 sonetos: Luiz Vaz de Camões. Porto Alegre: L&PM, 1998.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *