O objeto em que se inscreve o poder

        “O objeto em que se inscreve o poder, desde toda a eternidade humana, é a linguagem” (Roland Barthes).

 

Teses de abril

        “[…] a nossa tarefa não pode ser outra que explicar pacientemente, sistematicamente, persistentemente às massas, partindo essencialmente das suas necessidades praticas.

        […] há que suprimir a polícia, o exército e o corpo de funcionários.

        […] a tomada de decisões deve recair nos sovietes de deputados de trabalhadores agrícolas. Todas as terras dos latifúndios serão confiscadas.

         […] fusão imediata de todos os bancos do pais num único banco nacional, colocado sob o controle dos sovietes de deputados operários.

        A nossa tarefa imediata não é “introduzir” o socialismo, mas unicamente passar a controlar de imediato a produção e assegurar a repartição dos produtos pelos sovietes de deputados operários” (Lênin, 1917). *

* Esse texto de Vladimir Ilyich Lênin é uma versão abreviada publicada no nº 26 do Jornal Pravda, em 7 de abril de 1917.

 

O objeto em que se inscreve o poder

A paz mundial

    “[…] entre as nações, não haverá mais acordos particulares e secretos de nenhum tipo.

        […] os armamentos de cada pais sejam reduzidos ao mínimo compatível com a segurança interna” (Wilson, 1918). *

* Esse texto é uma versão abreviada do discurso proferido por Thomas Woodrow Wilson perante o Congresso dos Estados Unidos, em 8 de janeiro de 1918.

 

Criei esta atmosfera histórica, política e moral através de propaganda

       “[…] quando dois elementos estão em luta e quando se mostram irredutíveis, a solução reside no emprego da força. Não houve outras soluções na história e nunca haverá outras.

        […] A Itália, meus senhores, quer a paz, a tranquilidade, a calma laboriosa, nos dar-lhe-emos tudo isso, voluntariamente se for possível, e pela força se for necessário” (Mussolini, 1925). *

* Esse texto é uma versão abreviada do discurso proferido por Benito Mussolini perante a Câmara dos Deputados Italiana em 3 de janeiro de 1925.

Psicologia de Rebanhos

“O rebanho é os meus pensamentos e os meus pensamentos são todos sensações” (Fernando Pessoa).

        É pela palavra que se justifica a violência e seus derivados. As palavras explicam e justificam o motivo do uso da força. A violência e a força são formas de poder utilizadas pelos mais violentos e pelos mais fortes, sucessivamente. A palavra é a forma de uso do poder pelos oradores mais versáteis.

Referências

LÊNIN, Vladimir Ilyich; WILSON, Thomas Woodrow; MUSSOLINI, Benito; In VARIOS AUTORES. Discursos que mudaram o mundo. São Paulo: Folha de S. Paulo, 2010.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *