Duvidar do que se tem certeza

        Platão (428-348 a.C.) viveu, na Grécia antiga, num período em que muitas tradições e dogmas eram cultuados. ”Onde existem mil crenças, tendemos a nos tornar céticos em relação a todas elas”. Assim, inspirado por Sócrates (469-399 a.C.) a duvidar do que se tem certeza, Platão pôs-se a duvidar de quase tudo, exceto do que ele acreditava que era a verdade.

        Antes de Sócrates, os pensadores se perguntavam sobre a constituição das coisas, sobre qual seria o princípio das coisas. Esses pensadores atingiram o seu apogeu quando Demócrito (460-360 a.C.) cogita que “na realidade, nada existe a não ser átomos e espaço”.

        Ensina Sócrates que o verdadeiro conhecimento consiste em duvidar do que se conhece. Dizia ele: só sei uma coisa, e é que nada sei. Sócrates nos ensina a duvidar das nossas próprias crenças, principalmente das crenças preferidas. Possivelmente, as nossas crenças preferidas se tornaram certezas para nós, a partir de algum desejo secreto revestido com o traje do pensamento. Para Sócrates, não há conhecimento verdadeiro enquanto a mente não se voltar a examinar a si mesma. Conhece-te a ti mesmo.

        Sócrates não deixou por escrito nenhuma das suas crenças. Platão, discipulo de Sócrates, foi quem partilhou conosco, por escrito, as suas crenças preferidas de Sócrates. Desconhecemos os critérios de escolha dessas crenças por Platão. Desconhecemos também se essas crenças eram mesmo do Sócrates ou eram crenças do próprio Platão.

 

Pensamentos de Platão sobre a politica

        “E quanto ao Estado, o que poderia ser mais ridículo do que a sua democracia chefiada pela populaça, dominada pela paixão.

        Não é do conhecimento de todos que os homens em multidões são mais tolos, mais violentos e mais cruéis do que separados e sozinhos? Como pode uma sociedade ser salva, ou ser forte, se não tiver a frente seus homens mais sábios?

        A democracia precisava ser destruída, para ser substituída pelo governo dos mais sábios e melhores. A preocupação de sua vida passou a ser a procura de um método pelo qual os mais sábios e melhores pudessem ser descobertos e, depois, habilitados e persuadidos a governar”. Qual seria o critério para se descobrir os homens mais sábios e melhores?

 

Platão e a ética

        Platão segue o pensamento grego da sua época, fundamentado no mito dos heróis e deuses do Olimpo, onde o direito é adquirido pela força. A justiça é constituída pelo interesse do mais forte.        A moralidade é uma invenção dos fracos para neutralizar a força dos fortes.

        A justiça, portanto, é uma relação entre indivíduos que depende da organização social onde esses indivíduos se inserem.

        “Justiça é ter e fazer o que nos compete”.

        A justiça deve ser eficiente. A justiça se baseia no funcionamento harmonioso dos elementos em um homem.

        A verdade muda de roupa com frequência (como toda mulher atraente), mas sob o novo habito continua sempre a mesma.

        Os homens não se contentam com uma vida simples. Os homens são gananciosos, ambiciosos, competitivos e invejosos. Os homens logo se cansam do que possuem e anseiam por aquilo que não tem. Os homens, raramente, desejam qualquer coisa, a menos que ela pertença a terceiros.

 

Platão e a psicologia

        Platão acredita que uma nação somente pode ser forte, caso acredite num Deus todo-poderoso. Um deus que, pelo pavor e pelo terror, incita e obriga o indivíduo a moderar a sua ganancia e a sua paixão. A essa crença num deus, também deve-se acrescentar a crença na imortalidade das almas humanas. A esperança de uma outra vida da coragem para o indivíduo suportar as opressões a que se sujeita nessa vida de carne e osso, além de ajudar a enfrentar a morte dos seus entes queridos. E alimentar o poder dos que valorizam mais essa vida do que uma suposta vida pós-morte.

 

Psicologia de Rebanhos

O rebanho é os meus pensamentos

E os meus pensamentos são todos sensações.

(Fernando Pessoa)

        Com Platão, elege-se, na civilização ocidental, o mundo das ideias como a verdadeira vida. Apesar de Sócrates ter tentado ensinar que deveríamos duvidar das nossas crenças, Platão adere firmemente a crença de que o verdadeiro mundo é o mundo das ideias. O mundo das sensações seria enganoso, inseguro, não confiável. Para Platão, deveríamos duvidar do mundo sensível pois as certezas sobre o mundo estavam nas ideias. Essa crença de que os pensamentos são a verdadeira vida se sustenta atualmente pela ideia de um valor superior dos pensamentos sobre as sensações.

 

Referencias

DURANT, Will. A história da filosofia. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1996.

 

Reflexões quânticas e outras crenças

        Você acredita mesmo que viver e ouvir e falar notícias ruins irá fazer de você uma pessoa melhor? Você já ouviu falar sobre reflexões quânticas e outras crenças religiosas que idealizam uma vida melhor? Seja lá o que quer dizer esse melhor! Você gostaria de mudar a vida, as pessoas, o mundo? Que tal se você começasse mudando o seu jeito de viver e ouvir e falar e crer?

        Você acredita mesmo que incitando o ódio e a revolta e o desejo de justiça nas pessoas, você as tirara do comodismo e as levara para lutar pelos seus direitos, e, assim, elas estarão exercendo a cidadania? Você acredita que viver revoltado e com ódio evitara que as situações indesejadas se repitam na sua vida? Com certeza, o mundo independe da sua vontade, mas a sua transformação faz o mundo mudar.

O mundo ao seu redor é uma extensão de você

        O que você pensa e sente produz a realidade ao seu redor. Você é o único responsável pela sua vida. Mas você argumentara – a gente aprende pelo exemplo daqueles que nos rodeiam, o meio em que vivemos modela o nosso jeito de ser. Mas onde você entra nessa relação? A situação faz o ladrão? É nisso que você acredita? Que a sua vida está condicionada a atitude do outro?

        Você ainda vive numa cultura de resistência e reclamação. Quanto mais você resiste e reclama, mais você fortalece aquilo que combate. O seu cérebro não entende que você está querendo dizer não, pois, ao resistir, o seu padrão mental é correlato com aquilo que você combate. Lamento lhe informar, mas você se transforma naquilo que você nega! Quando você se revolta, se torna uma presa fácil da raiva, do ódio, da vitimização. O revoltado cria as condições para o velho mundo se manter. O rebelde cria as condições para um novo mundo surgir.

A culpa é uma parte de você que julga e condena

        A culpa aprisiona. Com os pés e mãos atados é mesmo impossível sair do lugar. Mas não se deixe seduzir pelo sentimento de vitimização. Agindo assim você estará dependendo que o mundo mude para você mudar.

Reflexoes quanticas e outras crenças

        Mas você não perde mesmo essa mania de querer controlar as coisas fora de você, não é mesmo? Você não se dá conta de que nem consegue controlar a sua própria respiração!? Mas vive desperdiçando energia sendo refém do mundo que o rodeia.

Você sabia que o seu cérebro não faz a menor diferença entre o que você imagina e o que você vive de verdade?

        O seu cérebro não pensa nem sente. Pois é, você sabia que essa entidade que você criou, chamada eu, é uma abstração? Pois, esse eu que você pensa que é, é apenas uma das infinitas possibilidades que você escolheu para se manifestar. Você já percebeu que seja lá qual for o seu estado agora, se é de dor, decepção, raiva, alegria, euforia ou incerteza, isso vai passar? Tudo é mesmo transitório. Você tem infinitas possibilidades de manifestar a sua realidade. O impossível é apenas uma possibilidade que não foi acessada ainda.

        Você tem um tempo reservado para você estar só consigo mesmo, todo dia? Uma vez por semana? Aos sábados? Uma vez por mês, ao ano? Você jamais reserva um tempo para estar só consigo mesmo? É … assim você vai dançar. Você vai dançar de acordo com a música que o mundo tocar.

        Quando você diz? “Eu não posso”, a vida diz: ok! Quando você diz “eu posso”, a vida diz: ok! A vida responde ao que você é! “A vida não dá nem empresta. Não se comove, nem se apieda. Tudo que faz é transferir e retribuir aquilo que nós lhe oferecemos“ (Albert Einstein (1879-1955)).

        Você já conversou com as suas células, hoje? Você conhece a si mesmo? É que a vida responde a quem você é e não a quem você pensa que é. E o que você é? Pergunte as suas células.

Psicologia de Rebanhos

“O rebanho é os meus pensamentos e os meus pensamentos são todos sensações” (Fernando Pessoa).

        Se você se queixa da sua vida, lembre-se que o ambiente que você vive hoje é um resultado de quem você foi no passado. O ambiente que você vivera no futuro será um resultado de quem você é hoje. Mas como você faz isso? Se você quer realizar algo no futuro, então cuide de viver esse algo agora. A vida responde ao que você é e não ao que você quer!

Referências

LIIMAA, Wallace. Reflexões quânticas para viver melhor. Acesso em 07 de janeiro de 2016. Disponível em